Home  |  Contact  

Email:

Password:

Sign Up Now!

Forgot your password?

CASA DAS LETRAS&ARTES DO TROVADOR
 
What’s New
  Join Now
  Message Board 
  Image Gallery 
 Files and Documents 
 Polls and Test 
  Member List
 ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~ 
 IMAGENS & GIFES 
 ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~ 
 BIBLIOTECA DA LUSOFONIA 
 ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~ 
 SONETOS IMORTAIS 
 ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~ 
 POEMAS AVULSOS 
 ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~ 
 «« POESIA DE CORDEL «« 
 ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~ 
 POESIA HISPÂNICA 
 ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~ 
 ARTE E HISTÓRIA NA PALAVRA E NA IMAGEM. 
 ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~ 
 OBRA PRIMA DO DIA 
 ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~ 
 «« EFEMÉRIDES »» 
 ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~ 
 CULINÁRIA 
 ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~ 
 80 MULHERES FAMOSAS COM MAIS DE 80 ANOS. 
 ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~ 
 TÚNEL DO TEMPO 
 ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~ 
 PORTUGAL - JARDIM À BEIRA MAR PLANTADO 
 ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~ 
 MEU BRASIL BRASILEIRO - TODOS OS ESTADOS 
 ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~ 
 ORAÇÕES 
 ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~ 
 «« MÚSICA E SENTIMENTOS »» 
 ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~ 
 NATAL É QUANDO O HOMEM QUISER 
 ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~ 
 POETAS DEL MUNDO 
 ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~ 
 DIA DOS NAMORADOS 2010 
 ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~ 
 CARNAVAL 
 ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~ 
 PÁSCOA E QUARESMA 
 ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~ 
 DIA DA MULHER 
 ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~ 
 MP 3 & MIDIS 
 ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~ 
 DIA DA MÃE 
 ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~ 
 1ª DE MAIO - DIA DO TRABALHADOR 
 ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~ 
 DIA DA CRIANÇA NA EUROPA 
 ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~ 
 FESTAS JUNINAS 
 
 
  Tools
 
BIBLIOTECA DA LUSOFONIA: FLORBELA ESPANCA
Choose another message board
Previous subject  Next subject
Reply  Message 1 of 14 on the subject 
From: QUIM TROVADOR  (Original message) Sent: 30/11/2009 09:31

 
   
 


 wp_rose_celebrity.jpg

Os versos que te fiz

Deixa dizer-te os lindos versos raros
Que a minha boca tem pra te dizer!
São talhados em mármore de Paros
Cinzelados por mim pra te oferecer.
coracaozinhoDourado.gif
Têm dolência de veludos caros,
São como sedas pálidas a arder...
Deixa dizer-te os lindos versos raros
Que foram feitos pra te endoidecer!

Mas, meu Amor, eu não tos digo ainda...
Que a boca da mulher é sempre linda
Se dentro guarda um verso que não diz!

Amo-te tanto! E nunca te beijei...
E nesse beijo, Amor, que eu te não dei
Guardo os versos mais lindos que te fiz!

 

 

Florbela Espanca


First  Previous  2 to 14 of 14  Next   Last  
Reply  Message 2 of 14 on the subject 
From: QUIM TROVADOR Sent: 30/11/2009 09:32
Enviado: 29/11/2009 21:48

FLORFresca.gif picture by JCarvalho 
valentin0132.gif picture by martejcarvalho
 

08daccb849237b7a5e3f51d90224c41e_we.gif picture by JCarvalho

i2ojel6Vgq.gif picture by JCarvalho

Florbela Espanca

Disseram-me hoje, assim, ao ver-me triste:
"Parece Sexta-Feira de Paixão.
Sempre a cismar, cismar de olhos no chão,
Sempre a pensar na dor que não existe...

O que é que tem?! Tão nova e sempre triste!
Faça por estar contente! Pois então?!..."
Quando se sofre, o que se diz é vão...
Meu coração, tudo, calado, ouviste...

Os meus males ninguém mos adivinha...
A minha Dor não fala, anda sozinha...
Dissesse ela o que sente! Ai quem me dera!...

Os males de Anto toda a gente os sabe!
Os meus ..ninguém... A minha Dor não cabe
Em cem milhões de versos que eu fizera!...

coracaozinhoDourado.gifcoracaozinhoDourado.gifcoracaozinhoDourado.gif

 

Formatação : Marte/JCarvalho

08daccb849237b7a5e3f51d90224c41e_we.gif picture by JCarvalho

 

 



Primer  Anterior  2 a 3 de 3  Siguiente   Último  
Respuesta Ocultar Mensaje Eliminar Mensaje  Mensaje 2 de 3 en el tema 
De: QUIM TROVADOR Enviado: 29/11/2009 22:00

text19bj7.gif picture by JCarvalho 

08daccb849237b7a5e3f51d90224c41e_we.gif picture by JCarvalho

ij3iEQvLIM.gif picture by JCarvalho

Florbela Espanca - O Livro das Mágoas

A minha Dor é um convento ideal
Cheio de claustros, sombras, arcarias,
Aonde a pedra em convulsões sombrias
Tem linhas dum requinte escultural.

Os sinos têm dobres de agonias
Ao gemer, comovidos, o seu mal…
E todos têm sons de funeral
Ao bater horas, no correr dos dias…

A minha Dor é um convento. Há lírios
Dum roxo macerado de martírios,
Tão belos como nunca os viu alguém!

Nesse triste convento aonde eu moro,
Noites e dias rezo e grito e choro,
E ninguém ouve… ninguém vê… ninguém…

coracaozinhoDourado.gifcoracaozinhoDourado.gifcoracaozinhoDourado.gif

 

 
Formatação : Marte/JCarvalho

08daccb849237b7a5e3f51d90224c41e_we.gif picture by JCarvalho

 

 


Respuesta Ocultar Mensaje Eliminar Mensaje  Mensaje 3 de 3 en el tema 
De: QUIM TROVADOR Enviado: 29/11/2009 22:01

ANIMADA201-ENCANTOS11.gif picture by martejcarvalho

 

Bryan adams-somebody
separatori20336.gif picture by martejcarvalho
1-10.gif picture by martejcarvalho
coracaozinhoDourado.gifcoracaozinhoDourado.gifcoracaozinhoDourado.gif
 
[Florbela Espanca]
 
 
Andas dum lado pro outro
Pela rua passeando;
Finges que não queres ver
Mas sempre me vais olhando.
É um olhar fugidio,
Olhar que dura um instante,
Mas deixa um rasto de estrelas
O doce olhar saltitante…
É esse rasto bendito
Que atraiçoa o teu olhar,
Pois é tão leve e fugaz
Que eu nem o sinto passar!
Quem tem uns olhos assim
E quer fingir o desdém,
Não pode nem um instante
Olhar os olhos d’alguém…
Por isso vai caminhando…
E se queres a muita gente
Demonstrar que me desprezas
Olha os meus olhos de frente! …
separatori20336.gif picture by martejcarvalho

 


Reply  Message 3 of 14 on the subject 
From: QUIM TROVADOR Sent: 01/12/2009 17:50

A minha gratidão 
  
   Florbela Espanca

Canção grata
Por tudo o que me deste
inquietação cuidado
um pouco de ternura
é certo mas tão pouca
Noites de insônia
Pelas ruas como louca
Obrigada, obrigada 
  
Por aquela tão doce
e tão breve ilusão
Embora nunca mais
Depois de que a vi desfeita
Eu volte a ser quem fui
Sem ironia aceita
A minha gratidão

Que bem que me faz agora
o mal que me fizeste
Mais forte e mais serena
E livre e descuidada
Sem ironia amor obrigada
Obrigada por tudo o que me deste 
  
Por aquela tão doce
e tão breve ilusão
Embora nunca mais
Depois de que a vi desfeita
Eu volte a ser quem fui
Sem ironia aceita
A minha gratidão.

 


Reply  Message 4 of 14 on the subject 
From: QUIM TROVADOR Sent: 01/12/2009 17:52

 

 

IMPOSSÍVEL

 

Disseram-me hoje, assim ao ver-me triste :

« Parece sexta-feira de Paixão.

Sempre a cismar, cismar de olhos no chão,

Sempre a pensar na dor que não existe...

 

O que é que tem ?! Tão nova e sempre triste !

Faça por estar contente ! Pois então ?!...»

Quando se sofre, o que se diz é vão...

Meu coração, tudo, calado, ouviste...

 

Os meus males ninguém mos adivinha...

A minha Dor não fala, anda sózinha...

Dissesse ela o que sente ! Ai quem me dera !...

 

Os males de Auto toda a gente os sabe !

Os meus...ninguém...A minha Dor não cabe

Nos cem milhões de versos que eu fizera !...

 

Florbela Espanca

 

Soneto extraído do " Livro de Mágoas "

 

Partilhando o meu Sorriso


 
 

O Nosso livro

Livro do meu amor, do teu amor,
Livro do nosso amor, do nosso peito…
Abre-lhe as folhas devagar, com jeito,
Como se fossem pétalas de flor.

Olha que eu outro já não sei compor
Mais santamente triste, mais perfeito
Não esfolhes os lírios com que é feito
Que outros não tenho em meu jardim de dor!

Livro de mais ninguém! Só meu! Só teu!
Num sorriso tu dizes e digo eu:
Versos só nossos mas que lindos sois!

Ah, meu Amor! Mas quanta, quanta gente
Dirá, fechando o livro docemente:
“Versos só nossos, só de nós os dois!…”

Florbela Espanca - Livro de Soror Saudade


 
   
 
 

 

 FRAGMENTO

Meu Amor! Meu Amante! Meu Amigo!
Colhe a hora que passa, hora divina,
bebe-a dentro de mim, bebe-a comigo!

E à volta, Amor... tornemos, nas alfombras
Dos caminhos selvagens e escuros,
Num astro só as nossas duas sombras...

Se tu viesses ver-me hoje à tardinha,
A essa hora dos mágicos cansaços,
Quando a noite de manso se avizinha,

E me prendesses toda nos teus braços...
E é como um cravo ao sol a minha boca...
Quando os olhos se me cerram de desejo...
E os meus braços se estendem para ti...

Tenho por ti uma paixão
Tão forte tão acrisolada,
Que até adoro a saudade
Quando por ti é causada

(Florbela Espanca)


 
   
 
 
 
  
Esquecimento 
 
 
Esse de quem eu era e que era meu,
Que foi um sonho e foi realidade,
Que me vestiu a alma de saudade,
Para sempre de mim desaparceu.
 
Tudo em redor então escureceu,
E foi longínqua toda a claridade!
Ceguei... tateio sombras... Que ansiedade!
Apalpo cinzas porque tudo ardeu!
 
Descem em mim poentes de Novembro...
A sombra dos meus olhos a escurecer...
Veste de roxo e negro os crisantemos...
 
E desse que era meu já não me lembro...
Ah, a doce agonia de esquecer
A lembrar doidamente o que esquecemos!
 
Florbela Espanca

Reply  Message 5 of 14 on the subject 
From: QUIM TROVADOR Sent: 01/12/2009 17:55

Fumo

Florbela Espanca

Longe de ti são ermos os caminhos,
Longe de ti não há luar nem rosas,
Longe de ti há noites silenciosas,
Há dias sem calor, beirais sem ninhos!

Meus olhos são dois velhos pobrezinhos
Perdidos pelas noites invernosas...
Abertos, sonham mãos cariciosas,
Tuas mãos doces, plenas de carinhos!

Os dias são Outonos: choram... choram...
Há crisntemos roxos que descoram...
Há murmúrios dolentes de segredos...

Invoco o nosso sonho! Estendo os braços!
E ele é, ó meu Amor, pelos espaços,
Fumo leve que foge entre os meus dedos!...


 
   

Florbela Espanca



Se tu viesses ver-me hoje à tardinha

Se tu viesses ver-me hoje à tardinha,
A essa hora dos mágicos cansaços,
Quando a noite de manso se avizinha,
E me prendesses toda nos teus barcos...



Quando me lembra: esse sabor que tinha
A tua boca... o eco dos teus passos...
O teu riso de fonte... os teus abraços...
Os teus beijos... a tua mão na minha...



Se tu viesses quando, linda e louca,
Traça as linhas dulcíssimas dum beijo
E é de seda vermelha e canta e ri



E é como um cravo ao sol a minha boca...
Quando os olhos se me cerram de desejo...
E os meus braços se estendem para ti...



 
   
 
 
 
 

                                                      

 

Vozes Do Mar

Quando o sol vai caindo sobre as águas
Num nervoso delíquio d’oiro intenso,
Donde vem essa voz cheia de mágoas
Com que falas à terra, ó mar imenso?...


Tu falas de festins, e cavalgadas
De cavaleiros errantes ao luar?
Falas de caravelas encantadas

Que dormem em teu seio a soluçar?
 
 

Tens cantos depopeias?Tens anseios
Damarguras? Tu tens também receios,
Ó mar cheio de esperança e majestade?!

Donde vem essa voz,ó mar amigo?...
... Talvez a voz do Portugal antigo,
Chamando por Camões numa saudade!

 

Florbela Espanca


 
 
 
 
 

Reply  Message 6 of 14 on the subject 
From: QUIM TROVADOR Sent: 01/12/2009 18:31
 
 
   


Primavera
(Florbela Espanca)

É Primavera agora, meu Amor!
O campo despe a veste de estamenha;
Não há árvore nenhuma que não tenha
O coração aberto, todo em flor!

Ah! Deixa-te vogar, calmo, ao sabor
Da vida... não há bem que nos não venha
Dum mal que o nosso orgulho em vão desdenha!
Não há bem que não possa ser melhor!

Também despi meu triste burel pardo,
E agora cheiro a rosmaninho e a nardo
E ando agora tonta, à tua espera...

Pus rosas cor-de-rosa em meus cabelos...
Parecem um rosal! Vem desprendê-los!
Meu Amor, meu Amor, é Primavera!...

 


 
   
 
 

 

 

Meu Amor

 

De ti somente um nome sei, Amor,
É pouco, é muito pouco e é bastante
Para que esta paixão doida e constante
Dia após dia cresça com vigor!

Como de um sonho vago e sem fervor
nasce assim uma paixão tão inquietante!
Meu doido coração triste e amante
Como tu buscas o ideal na dor!

Isto era só quimera, fantasia,
Mágoa de sonho que se esvai num dia,
Perfume leve dum rosal do céu...

Paixão ardente, louca isto é agora,
Vulcão que vai crescendo hora por hora...
O meu amor, que imenso amor o meu!

 

Florbela Espanca

 


 
   
 

 
     
 
      
Em Busca Do Amor
 
Florbela Espanca

O meu Destino disse-me a chorar:
"Pela estrada da Vida vai andando,
E, aos que vires passar, interrogando
Acerca do Amor, que hás-de encontrar."

Fui pela estrada a rir e a cantar,
As contas de meu sonho desfiando...
E noite e dia, à chuva e ao luar,
Fui sempre caminhando e perguntando...

Mesmo a um velho eu perguntei: "Velhinho,
Viste o Amor acaso em teu caminho?"
E o velho estremeceu... olhou... e riu...

Agora pela estrada, já cansados,
Voltam todos pra trás desanimados...
E eu paro a murmurar: "Ninguém o viu!..."

   
 

WK5.jpg picture by TEMPO13_2006

A VIDA
 
É vão o amor, o ódio, ou o desdém;
Inútil o desejo e o sentimento...
Lançar um grande amor aos pés de alguém
O mesmo é que lançar flores ao vento!
coracaozinhoDourado.gif
Todos somos no mundo Pedro Sem,
Uma alegria é feita dum tormento,
Um riso é sempre o eco dum lamento,
Sabe-se lá um beijo de onde vem!
coracaozinhoDourado.gif
A mais nobre ilusão morre... desfaz-se...
Uma saudade morta em nós renasce
Que no mesmo momento é já perdida...
coracaozinhoDourado.gif
Amar-te a vida inteira eu não podia.
A gente esquece sempre o bem de um dia.
Que queres, meu Amor, se é isto a vida!

coracaozinhoDourado.gifcoracaozinhoDourado.gifcoracaozinhoDourado.gif
 
Autoria : Florbela Espanca
 
Formatação : Marte/JCarvalho
voce_bar.gif

 

 

Reply  Message 7 of 14 on the subject 
From: QUIM TROVADOR Sent: 02/12/2009 20:25

 

 

A VIDA

 

É vão o amor, o ódio, ou o desdém ;

Inútil o desejo e o sentimento...

Lançar um grande amor aos pés de alguém

O mesmo é que lançar flores ao vento !

 

Todos somos no mundo « Pedro Sem »,

Uma alegria é feita dum tormento,

Um riso é sempre o eco dum lamento,

Sabe-se lá um beijo de onde vem !

 

A mais nobre ilusão morre...desfaz-se

Uma saudade em nós renasce

Que no mesmo momento é já perdida...

 

Amar-te a vida inteira eu não podia.

A gente esquece sempre o bem de um dia.

Que queres , meu Amor, se isto é a vida !...

 

FLORBELA ESPANCA

 

Soneto extraído do " Livro Soror saudade "


 
   
 
 

 

EM VãO

 

Passo triste na vida e triste sou,

Uma pobre a quem jamais quiseram bem !

Um caminhante exausto que passou,

Que não diz onde vai nem donde vem.

 

Ah ! Sem piedade, a rir, tanto desdém

A flor da minha boca desdenhou !

Solitário convento onde ninguém

A silenciosa cela procurou !

 

E eu quero bem a tudo, a toda a gente...

Ando a amar assim, perdidamente,

A acalentar o mundo nos meus braços !

 

E tem passado, em vão, a mocidade

Sem que no meu caminho uma saudade

Abras em flores a sombra dos meus passos !

 

FLORBELA ESPANCA

 


 
   
 
 

 
                                                                                                                                                                                 
 

 
Esquecimento

Florbela Espanca

Esse de quem eu era e que era meu,
E foi um sonho e foi realidade,
Que me vestiu a alma de saudade,
Para sempre de mim desapareceu.

Tudo em redor então escureceu,
E foi longínqua toda a claridade!
Ceguei... tacteio sombras... que ansiedade!
Apalpo cinzas porque tudo ardeu!

Descem em mim poentes de Novembro...
A sombra dos meus olhos, a escurecer...
Veste de roxo e negro os crisntemos...

E desde que era meu já me não lembro...
Ah! a doce agonia de esquecer
A lembrar doidamente o que esquecemos!...
 
 
 
   

 

 
   
 
SOROR SAUDADE

A Américo Durão

Irmã, Soror Saudade, me chamaste...
E na minhalma o nome iluminou-se
Como um vitral ao sol, como se fosse
A luz do próprio sonho que sonhaste.

Numa tarde de Outono o murmuraste;
Toda a mágoa do Outono ele me trouxe;
Jamais me hão-de chamar outro mais doce;
Com ele bem mais triste me tornaste...

E baixinho, na alma de minhalma,
Como bênção de sol que afaga e acalma,
Nas horas más de febre e de ansiedade,

Como se fossem pétalas caindo,
Digo as palavras desse nome lindo
Que tu me deste: "Irmã, Soror Saudade"...

Florbela Espanca

Reply  Message 8 of 14 on the subject 
From: QUIM TROVADOR Sent: 02/12/2009 20:27

 
   

SOL POENTE 
(Florbela Espanca )
 
Tardinha..."Ave, Maria, Mãe de Deus..." 
E reza a voz dos sinos e das noras... 
O sol que morre tem clarões de auroras,
Águia que bate as asas pelos céus! 


Horas que têm a cor dos olhos teus... 
Horas evocadoras de outras horas... 
Lembranças de fantásticos outroras,
De sonhos que não tenho e que eram meus! 


Horas em que as saudades pelas estradas 
Inclinam as cabeças martrizadas 
E ficam pensativas...meditando... 


Morrem verbenas silenciosamente... 
E o rubro sol da tua boca ardente 
vai-me a pálida boca desfolhando...

Repassando de Peteca  



 
   
 
 

 

MINHA ROSEIRA BRAVA

 

Há nos teus olhos de oiro um tal fulgor

E no teu riso tanta claridade,

Que o lembrar-me de ti é ter saudade

Duma roseira brava toda em flor.

 

Tuas mãos foram feitas para a dor,

Para os gestos de doçura e piedade,

E os teus beijos de sonho e de ansiedade

São como a alma a arder do próprio Amor!

 

Nasci envolta em trajes de mendiga,

E, ao dares-me o teu amor de maravilha,

Deste-me o manto de oiro de rainha!

 

Tua irmã... teu amor... e tua amiga...

E também, toda em flor, a tua filha,

Minha roseira brava que é só minha!...

( Florbela Espanca  ) 


 
   
 
 
 

                                                      

 
 

Vozes Do Mar

Quando o sol vai caindo sobre as águas
Num nervoso delíquio d’oiro intenso,
Donde vem essa voz cheia de mágoas
Com que falas à terra, ó mar imenso?...


Tu falas de festins, e cavalgadas
De cavaleiros errantes ao luar?
Falas de caravelas encantadas

Que dormem em teu seio a soluçar?
 
 

Tens cantos depopeias?Tens anseios
Damarguras? Tu tens também receios,
Ó mar cheio de esperança e majestade?!

Donde vem essa voz,ó mar amigo?...
... Talvez a voz do Portugal antigo,
Chamando por Camões numa saudade!

 

Florbela Espanca

 


Reply  Message 9 of 14 on the subject 
From: QUIM TROVADOR Sent: 02/12/2009 20:28
Enviado: 23/10/2008 08:21
 

Amor que morre

O nosso amor morreu... Quem o diria!
Quem o pensara mesmo ao ver-me tonta,
Ceguinha de te ver, sem ver a conta
Do tempo que passava, que fugia!

Bem estava a sentir que ele morria...
E outro clarão, ao longe, já desponta!
Um engano que morre... e logo aponta
A luz doutra miragem fugidia...

Eu bem sei, meu Amor, que pra viver
São precisos amores, pra morrer,
E são precisos sonhos para partir.

E bem sei, meu Amor, que era preciso
Fazer do amor que parte o claro riso
De outro amor impossível que há-de vir!

Florbela Espanca

 


 
   
 
 


 
 
Lágrimas Ocultas

Florbela Espanca

Se me ponho a cismar em outras eras
Em que ri e cantei, em que era querida,
Parece-me que foi noutras esferas,
Parece-me que foi numa outra vida...

E a minha triste boca dolorida,
Que dantes tinha o rir das primaveras,
Esbate as linhas graves e severas
E cai num abandono de esquecida!

E fico, pensativa, olhando o vago...
Toma a brandura plácida dum lago
O meu rosto de monja de marfim...

E as lágrimas que choro, branca e calma,
Ninguém as vê brotar dentro da alma!
Ninguém as vê cair dentro de mim!


Reply  Message 10 of 14 on the subject 
From: QUIM TROVADOR Sent: 02/12/2009 20:31

A FLOR DO SONHO

 

A Flor do Sonho, alvíssima, divina, 

Miraculosamente abriu em mim, 

Como se uma magnólia de cetim 

Fosse florir num muro todo em ruína. 

 

Pende em meu seio a haste branda e fina 

E não posso entender como é que, enfim,  

Essa tão rara flor abriu assim! ... 

Milagre ... fantasia ... ou, talvez, sina ... 

 

Ó Flor que em mim nasceste sem abrolhos, 

Que tem que sejam tristes os meus olhos  

Se eles são tristes pelo amor de ti?! ...  

 

Desde que em mim nasceste em noite calma, 

Voou ao longe a asa da minha’alma 

E nunca, nunca mais eu me entendi ...

 

(Florbela Espanca


 
   
 
 
 
 
ANGÚSTIA

Tortura do pensar!Triste lamento!
Quem nos dera calar a tua voz!
Quem nos dera cá dentro, muito a sós,
Estrangular a hidra num momento!

E não se quer pensar!...e o pensamento
Sempre a morder-nos bem, dentro de nós...
Querer apagar no céu -- ó sonho atroz! --
O brilho duma estrela, com o vento!...

E não se apaga, não...nada se apaga!
Vem sempre rastejando como a vaga...
Vem sempre perguntando: "O que te resta?..."

Ah! não ser mais que o vago, o infinito!
Ser pedaço de gelo, ser granito,
Ser rugido de tigre na floresta!

Florbela Espanca

   
 
 
 
O QUE TU ÉS

És aquela que tudo entristece,
Irrita a amargura, tuda humilha;
Aquela a quem a Mágoa chamou filha;
A que aos homens e a Deus nada merece.

Aquela que o sol claro entenebrece,
A que nem sabe a estrada que ora trilha,
Que nem um lindo amor de maravilha
Sequer deslumbra, e ilumina, e aquece!

Mar Morto sem marés nem ondas largas,
A rastejar no chão, como as mendigas,
Todo feito de lágrimas amargas!

És ano que não teve Primavera...
Ah! Não seres como as outras raparigas
Ó Princesa Encantada da Quimera!...

Florbela Espanca

 
   
 
 

Desejos Vãos
(Florbela Espanca)

Eu queria ser o Mar de altivo porte
Que ri e canta, a vastidão imensa!
Eu queria ser a Pedra que não pensa,
A pedra do caminho, rude e forte!

Eu queria ser o sol, a luz intensa
O bem do que é humilde e não tem sorte!
Eu queria ser a árvore tosca e densa
Que ri do mundo vão é ate da morte!

Mas o mar também chora de tristeza...
As árvores também, como quem reza,
Abrem, aos céus, os braços, como um crente!

E o sol altivo e forte, ao fim de um dia,
Tem lágrimas de sangue na agonia!
E as pedras... essas... pisá-as toda a gente!


 

 
   
 
 
 
CONTO DE FADAS

Eu trago-te nas mõas o esquecimento
Das horas más que tens vivido, Amor!
E para as tuas chagas o unguento
Com que sarei a minha própria dor.

Os meus gestos são ondas de Sorrento...
Trago no nome as letras duma flor...
Foi dos meus olhos garços que um pintor
Tirou a luz para pintar o vento....

Dou-te o que tenho: o astro que dormita,
O manto dos crepúsculos da tarde,
O sol que é de oiro, a onda que palpita.

Dou-te, comigo, o mundo que Deus fez!
-- Eu sou Aquela de quem tens saudades,
A princesa do conto : "Era uma vez..."

Florbela Espanca

Reply  Message 11 of 14 on the subject 
From: QUIM TROVADOR Sent: 02/12/2009 20:33
 

 

 

 

A FLOR DO SONHO

 

A Flor do Sonho, alvíssima, divina, 

Miraculosamente abriu em mim, 

Como se uma magnólia de cetim 

Fosse florir num muro todo em ruína. 

 

Pende em meu seio a haste branda e fina 

E não posso entender como é que, enfim,  

Essa tão rara flor abriu assim! ... 

Milagre ... fantasia ... ou, talvez, sina ... 

 

Ó Flor que em mim nasceste sem abrolhos, 

Que tem que sejam tristes os meus olhos  

Se eles são tristes pelo amor de ti?! ...  

 

Desde que em mim nasceste em noite calma, 

Voou ao longe a asa da minha’alma 

E nunca, nunca mais eu me entendi ...

 

(Florbela Espanca

 

 


Reply  Message 12 of 14 on the subject 
From: QUIM TROVADOR Sent: 19/12/2009 20:54


Volúpia

No divino impudor da mocidade,
Nesse êxtase pagão que vence a sorte,
Num frémito vibrante de ansiedade,
Dou-te o meu corpo prometido à morte!

A sombra entre a mentira e a verdade...
A núvem que arrastou o vento norte...
--- Meu corpo! Trago nele um vinho forte:
Meus beijos de volúpia e de maldade!

Trago dálias vermelhas no regaço...
São os dedos do sol quando te abraço,
Cravados no teu peito como lanças!

E do meu corpo os leves arabescos
Vão-te envolvendo em círculos dantescos
Felinamente, em voluptuosas danças...

Florbela Espanca

Reply  Message 13 of 14 on the subject 
From: QUIM TROVADOR Sent: 20/12/2009 09:45


«« Mais Alto »»

Mais alto, sim! mais alto, mais além
Do sonho, onde morar a dor da vida,
Até sair de mim! Ser a Perdida,
A que se não encontra! Aquela a quem

O mundo nao conhece por Alguém!
Ser orgulho, ser águia na subida,
Até chegar a ser, entontecida,
Aquela que sonhou o meu desdém!

Mais alto, sim! Mais alto! A Intangível
Turris Ebúrnea erguida nos espaços,
A rutilante luz dum impossível!

Mais alto, sim! Mais alto! Onde couber
O mal da vida dentro dos meus braços,
Dos meus divinos braços de Mulher!

Florbela Espanca

Reply  Message 14 of 14 on the subject 
From: QUIM TROVADOR Sent: 20/12/2009 09:52

«« Mais Alto »»

Mais alto, sim! mais alto, mais além
Do sonho, onde morar a dor da vida,
Até sair de mim! Ser a Perdida,
A que se não encontra! Aquela a quem

O mundo nao conhece por Alguém!
Ser orgulho, ser águia na subida,
Até chegar a ser, entontecida,
Aquela que sonhou o meu desdém!

Mais alto, sim! Mais alto! A Intangível
Turris Ebúrnea erguida nos espaços,
A rutilante luz dum impossível!

Mais alto, sim! Mais alto! Onde couber
O mal da vida dentro dos meus braços,
Dos meus divinos braços de Mulher!

Florbela Espanca


First  Previous  2 a 14 de 14  Next   Last  
Previous subject  Next subject
 
©2022 - Gabitos - All rights reserved