Home  |  Contact  

Email:

Password:

Sign Up Now!

Forgot your password?

CASA DAS LETRAS&ARTES DO TROVADOR
 
What’s New
  Join Now
  Message Board 
  Image Gallery 
 Files and Documents 
 Polls and Test 
  Member List
 ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~ 
 IMAGENS & GIFES 
 ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~ 
 BIBLIOTECA DA LUSOFONIA 
 ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~ 
 SONETOS IMORTAIS 
 ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~ 
 POEMAS AVULSOS 
 ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~ 
 «« POESIA DE CORDEL «« 
 ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~ 
 POESIA HISPÂNICA 
 ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~ 
 ARTE E HISTÓRIA NA PALAVRA E NA IMAGEM. 
 ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~ 
 OBRA PRIMA DO DIA 
 ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~ 
 «« EFEMÉRIDES »» 
 ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~ 
 CULINÁRIA 
 ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~ 
 80 MULHERES FAMOSAS COM MAIS DE 80 ANOS. 
 ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~ 
 TÚNEL DO TEMPO 
 ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~ 
 PORTUGAL - JARDIM À BEIRA MAR PLANTADO 
 ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~ 
 MEU BRASIL BRASILEIRO - TODOS OS ESTADOS 
 ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~ 
 ORAÇÕES 
 ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~ 
 «« MÚSICA E SENTIMENTOS »» 
 ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~ 
 NATAL É QUANDO O HOMEM QUISER 
 ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~ 
 POETAS DEL MUNDO 
 ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~ 
 DIA DOS NAMORADOS 2010 
 ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~ 
 CARNAVAL 
 ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~ 
 PÁSCOA E QUARESMA 
 ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~ 
 DIA DA MULHER 
 ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~ 
 MP 3 & MIDIS 
 ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~ 
 DIA DA MÃE 
 ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~ 
 1ª DE MAIO - DIA DO TRABALHADOR 
 ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~ 
 DIA DA CRIANÇA NA EUROPA 
 ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~ 
 FESTAS JUNINAS 
 
 
  Tools
 
BIBLIOTECA DA LUSOFONIA: FERNANDO PESSOA
Choose another message board
Previous subject  Next subject
Reply  Message 1 of 59 on the subject 
From: QUIM TROVADOR  (Original message) Sent: 30/11/2009 09:33
 

 

Poema em linha reta Fernando Pessoa
(Álvaro de Campos)

 



E eu, tantas vezes reles, tantas vezes porco, tantas vezes vil,
Eu tantas vezes irrespondivelmente parasita,
Indesculpavelmente sujo,
Eu, que tantas vezes não tenho tido paciência para tomar banho,
Eu, que tantas vezes tenho sido ridículo, absurdo,
Que tenho enrolado os pés publicamente nos tapetes das etiquetas,
Que tenho sido grotesco, mesquinho, submisso e arrogante,
Que tenho sofrido enxovalhos e calado,
Que quando não tenho calado, tenho sido mais ridículo ainda;
Eu, que tenho sido cômico às criadas de hotel,
Eu, que tenho sentido o piscar de olhos dos moços de fretes,
Eu, que tenho feito vergonhas financeiras, pedido emprestado sem pagar,
Eu, que, quando a hora do soco surgiu, me tenho agachado
Para fora da possibilidade do soco;
Eu, que tenho sofrido a angústia das pequenas coisas ridículas,
Eu verifico que não tenho par nisto tudo neste mundo.


Toda a gente que eu conheço e que fala comigo
Nunca teve um ato ridículo, nunca sofreu enxovalho,
Nunca foi senão príncipe - todos eles príncipes - na vida...


Quem me dera ouvir de alguém a voz humana
Que confessasse não um pecado, mas uma infmia;
Que contasse, não uma violência, mas uma cobardia!
Não, são todos o Ideal, se os oiço e me falam.
Quem há neste largo mundo que me confesse que uma vez foi vil?
Ó príncipes, meus irmãos,


Arre, estou farto de semideuses!
Onde é que há gente no mundo?


Então sou só eu que é vil e errôneo nesta terra?


Poderão as mulheres não os terem amado,
Podem ter sido traídos - mas ridículos nunca!
E eu, que tenho sido ridículo sem ter sido traído,
Como posso eu falar com os meus superiores sem titubear?
Eu, que venho sido vil, literalmente vil,
Vil no sentido mesquinho e infame da vileza.



Nunca conheci quem tivesse levado porrada.
Todos os meus conhecidos têm sido campeões em tudo.



First  Previous  45 to 59 of 59  Next   Last  
Reply  Message 45 of 59 on the subject 
From: QUIM TROVADOR Sent: 02/12/2009 19:17
 

Eram Varões Todos

 


ERAM VARõES  todos,
Andavam na floresta
Sem motivo e sem modos 
E a razão era esta.
E andando iam cantando
O que não pude ser,
Nesse tom mole e brando
Como um anoitecer

Em que se canta quanto
Não há nem é e dói
E que tem disso o encanto
De tudo quanto foi.   


Fernando Pessoa

 

Fonte:secrel.com.br


Reply  Message 46 of 59 on the subject 
From: QUIM TROVADOR Sent: 02/12/2009 19:18
 
   

Quadras ao Gosto Popular
(Fernando Pessoa)

Duas horas te esperei 
Dois anos te esperaria. 
Dize: devo esperar mais? 
Ou não vens porque inda é dia?

Toda a noite ouvi no tanque 
A pouca água a pingar. 
Toda a noite ouvi na alma 
Que não me podes amar.

Dias são dias, e noites 
São noites e não dormi... 
Os dias a não te ver 
As noites pensando em ti.

Trazes a rosa na mão 
E colheste-a distraída... 
E que é do meu coração 
Que colheste mais sabida?


Reply  Message 47 of 59 on the subject 
From: QUIM TROVADOR Sent: 02/12/2009 19:19

 
D. DINIS
 
Fernando Pessoa
 
Na noite escreve um seu Cantar de Amigo
O plantador de naus a haver,
E ouve um silêncio múrmuro consigo:
É o rumor dos pinhais que, como um trigo
De Império, ondulam sem se poder ver.
Arroio, esse cantar, jovem e puro,
Busca o oceano por achar;
E a fala dos pinhais, marulho obscuro,
É o som presente desse mar futuro,
É a voz da terra ansiando pelo mar.

 


Reply  Message 48 of 59 on the subject 
From: QUIM TROVADOR Sent: 02/12/2009 19:20

Poemas dos Dois Exílios

I
 
Paira no ambíguo destinar-se
 
 
Paira no ambíguo destinar-se 
Entre longínquos precipícios, 
A nsia de dar-se preste a dar-se 
Na sombra vaga entre suplícios,
Roda dolente do parar-se 
Para, velados sacrifícios, 
Não ter terraços sobre errar-se 
Nem ilusões com interstícios,

Tudo velado, e o ócio a ter-se 
De leque em leque, a aragem fina 
Com consciência de perder-se... 

Tamanha a flama e pequenina 
Pensar na mágoa japonesa 
Que ilude as sirtes da Certeza.  
 
 

Poemas dos Dois Exílios

II
 
Dói viver, nada sou que valha ser.
 
 
Dói viver, nada sou que valha ser. 
Tardo-me porque penso e tudo rui. 
Tento saber, porque tentar é ser. 
Longe de isto ser tudo, tudo flui. 
Mágoa que, indiferente, faz viver. 
Névoa que, diferente, em tudo influi. 
O exílio nado do que fui sequer 
Ilude, fixa, dá, faz ou possui. 

Assim, noturno, a árias indecisas, 
O prelúdio perdido traz à mente 
O que das ilhas mortas foi só brisas,

E o que a memória análoga dedica 
Ao sonho, e onde, lua na corrente, 
Não passa o sonho e a água inútil fica.  
 
 

Poemas dos Dois Exílios

III
 
Análogo começo
 
 
Análogo começo. 
Uníssono me peço. 
Gaia ciência o assomo — 
Falha no último tomo. 
Onde prolixo ameaço 
Paralelo transpasso 
O entreaberto haver 
Diagonal a ser.

E interlúdio vernal, 
Conquista do fatal, 
Onde, veludo, afaga 
A última que alaga. 

Timbre do vespertino.
Ali, carícia, o hino O
utonou entre preces, 
Antes que, água, comeces.   
 
 

Poemas dos Dois Exílios

IV
 
Doura o dia. Silente, o vento dura
 
 
Doura o dia. Silente, o vento dura. 
Verde as árvores, mole a terra escura, 
Onde flores, vazia a álea e os bancos. 
No pinal erva cresce nos barrancos. 
Nuvens vagas no pérfido horizonte. 
O moinho longínquo no ermo monte. 
Eu alma, que contempla tudo isto, 
Nada conhece e tudo reconhece. 
Nestas sombras de me sentir existo, 
E é falsa a teia que tecer me tece.


Fernando Pessoa

 

 


Reply  Message 49 of 59 on the subject 
From: QUIM TROVADOR Sent: 02/12/2009 19:21
 

Tenho dó das Estrelas

Tenho dó das estrelas
Luzindo há tanto tempo,
Há tanto tempo…
Tenho dó delas.
Não haverá um cansaço
Das coisas,
De todas as coisas
Como das pernas ou de um braço?
Um cansaço de existir,
De ser,
Só de ser,
O ser triste brilhar ou sorrir…
Não haverá, enfim,
Para as coisas que são,
Não a morte, mas sim
Uma outra espécie de fim,
Ou uma grande razão –
Qualquer coisa assim
Como um perdão?

 

 (Fernando Pessoa)

Reply  Message 50 of 59 on the subject 
From: QUIM TROVADOR Sent: 02/12/2009 19:21

Natal


Fernando Pessoa


O sino da minha aldeia,
Dolente na tarde calma,
Cada tua badalada
Soa dentro de minha alma.


E é tão lento o teu soar,
Tão como triste da vida,
Que já a primeira pancada
Tem o som de repetida.


Por mais que me tanjas perto
Quando passo, sempre errante,
És para mim como um sonho.
Soas-me na alma distante.


A cada pancada tua,
Vibrante no céu aberto,
Sinto mais longe o passado,
Sinto a saudade mais perto.

 


Reply  Message 51 of 59 on the subject 
From: QUIM TROVADOR Sent: 02/12/2009 19:22
 
TABERNA

Eu não sou louro,

Nem sou moreno,

Nem sou rico nem pobre

Sou Poeta ...

O que ficou ao canto da taberna.

O que entrou e se sentou,

à espera

Não do pão ou do vinho

(Ah ! ... o Poeta hoje não tem fome !)

Mas de que  alguém viesse,

Alguém que precisasse Amor

E lhe pedisse .

Mas ninguém vem ...

Tenho pena do Poeta,

Ao fundo da taberna,

Mudo, à espera  ...

De que lhe serve o tanto Amor que tem

Se ninguém aparece ?

Ai alegria tinta de tristeza,

Ai suave Amor descido,

Por quem não vem ninguém pedir-te, ansioso,

Para que saibas depois a merecido

E tenhas o teu gosto verdadeiro ?

Ah suave Amor, sombra do Céu,

Por que não vem com quem eu te reparta,

Para ser convencido e pleno direito

Que vá chamar-te meu ?

Tenha, dó do Poeta !

Venham, pobres ou ricos, os pobrezinhos de Amor,

Venham ser a moeda

Com que o Poeta pague o seu Amor.

O Poeta do fundo da taberna ....

(Fernando  Pessoa)


Reply  Message 52 of 59 on the subject 
From: QUIM TROVADOR Sent: 02/12/2009 19:25

                         Pela rua já serena


 
Pela rua já serena 
Vai a noite 
Não sei de que tenho pena, 
Nem se é pena isto que tenho... 
Pobres dos que vão sentindo 
Sem saber do coração! 
Ao longe, cantando e rindo, 
Um grupo vai sem razão... 

E a noite e aquela alegria 
E o que medito a sonhar 
Formam uma alma vazia 
Que paira na orla do ar...

 


Fernando Pessoa

 

Fonte:secrel.com.br


Reply  Message 53 of 59 on the subject 
From: QUIM TROVADOR Sent: 02/12/2009 19:25

                               

   

É um campo verde e vasto


 
É um campo verde e vasto,
Sozinho sem saber,
De vagos gados pasto,
Sem águas a correr.
Só campo, só sossego,
Só solidão calada.
Olho-o, e nada nego
E não afirmo nada.

Aqui em mim me exalço
No meu fiel torpor.
O bem é pouco e falso,
O mal é erro e dor.

Agir é não ter casa,
Pensar é nada Ter.
Aqui nem luzes (?) ou asa
Nem razão para a haver.

E um vago sono desce
 Só por não ter razão,
E o mundo alheio esquece
à vista e ao coração.

Torpor que alastra e excede
O campo e o gado e os ver.
A alma nada pede
E o corpo nada quer.

Feliz sabor de nada,
Inconsciência do mundo,
Aqui sem porto ou estrada,
Nem horizonte no fundo.   


  
Fernando Pessoa

 

Fonte:secrel.com.br


Reply  Message 54 of 59 on the subject 
From: QUIM TROVADOR Sent: 02/12/2009 19:26

Avé Maria

Avé Maria, tão pura
Virgem nunca maculada
Ouvi a prece tirada
No meu peito da amargura.

Vós que sois cheia de graça
Escutai minha oração,
Conduzi-me pela mão
Por esta vida que passa.

O Senhor, que é vosso Filho,
Que esteja sempre conosco,
Assim como é convosco
Eternamente o seu brilho.

Bendita sois vós, Maria,
Entre as mulheres da Terra
E vossalma só encerra
Doce imagem dalegria.

Mais radiante do que a luz
E bendito, oh Santa Mãe
É o fruto que provém
Do vosso ventre, Jesus!

Ditosa Santa Maria,
Vós que sois a Mãe de Deus
E que morais lá nos céus,
Orai por nós cada dia.

Rogai por nós, pecadores,
Ao vosso Filho, Jesus,
Que por nós morreu na cruz
E que sofreu tantas dores.

Rogai, agora, oh Mãe qu’rida
E (quando quiser a sorte)
Na hora da nossa morte
Quando nos fugir a vida.

Avé Maria, tão pura
Virgem nunca maculada,
Ouvi a prece tirada
No meu peito da amargura.
12-4-1902

Fernando Pessoa,
Poesia 1902-1917,
Lisboa, Editora Assírio & Alvim,
2005, p. 15-6.


Reply  Message 55 of 59 on the subject 
From: QUIM TROVADOR Sent: 02/12/2009 19:28

 
 
 
 
Não sei quantas almas tenho.
Cada momento mudei.
Continuamente me estranho.
Nunca me vi nem acabei.
De tanto ser, só tenho alma.
Quem tem alma não tem calma.
Quem vê é só o que vê,
Quem sente não é quem é,
Atento ao que sou e vejo,
Torno-me eles e não eu.
Cada meu sonho ou desejo
É do que nasce e não meu.
Sou minha própria paisagem;
Assisto à minha passagem,
Diverso, móbil e só,
Não sei sentir-me onde estou.

Por isso, alheio, vou lendo
Como páginas, meu ser.
O que sogue não prevendo,
O que passou a esquecer.
Noto à margem do que li
O que julguei que senti.
Releio e digo : "Fui eu ?"
Deus sabe, porque o escreveu.


Fernando Pessoa

 


Reply  Message 56 of 59 on the subject 
From: QUIM TROVADOR Sent: 02/12/2009 19:28


D. FERNANDO
  INFANTE DE PORTUGALestrelariadour.gif
 
Deu-me Deus o seu gládio, porque eu faça
A sua santa guerra.
Sagrou-me seu em honra e em desgraça,
às horas em que um frio vento passa
Por sobre a fria terra.
Pôs-me as mãos sobre os ombros e doirou-me
A fronte com o olhar;
E esta febre de Além, que me consome,
E este querer grandeza são seu nome
Dentro em mim a vibrar.
E eu vou, e a luz do gládio erguido dá
Em minha face calma.
Cheio de Deus, não temo o que virá,
Pois venha o que vier, nunca será
Maior do que a minha alma.
 "In Mensagem"
Fernando Pessoa

Reply  Message 57 of 59 on the subject 
From: QUIM TROVADOR Sent: 02/12/2009 19:29
  Enviado: 12/10/2008 14:59

                             

Criança, era outro...


Criança, era outro...
Naquele em que me tornei
Cresci e esqueci.
Tenho de meu, agora, um silêncio, uma lei.
Ganhei ou perdi ? 
 
    
Fernando Pessoa

 

Fonte:secrel.com.br


Reply  Message 58 of 59 on the subject 
From: QUIM TROVADOR Sent: 02/12/2009 19:30
 
 

                                        

 

Segue o teu destino...
 
 
Segue o teu destino,
Rega as tuas plantas,
Ama as tuas rosas.
O resto é a sombra
De árvores alheias.

A realidade
Sempre é mais ou menos
Do que nós queremos.
Só nós somos sempre
Iguais a nós-próprios.

Suave é viver só.
Grande e nobre é sempre
Viver simplesmente.
Deixa a dor nas aras
Como ex-voto aos deuses.


Vê de longe a vida.
Nunca a interrogues.
Ela nada pode
Dizer-te. A resposta
Está além dos deuses.

Mas serenamente
Imita o Olimpo
No teu coração.
Os deuses são deuses
Porque não se pensam.

 
 
Fernando Pessoa
Odes de Ricardo Reis

 

 


Reply  Message 59 of 59 on the subject 
From: QUIM TROVADOR Sent: 25/05/2010 18:00
POSTADO POR JATOAI Enviado: 25/05/2010 15:51

01.gif picture by cancian2

Posso ter defeitos,

 

 viver ansioso e ficar irritado algumas vezes,
mas não esqueço de que minha vida é a maior empresa do mundo.
E que posso evitar que ela vá a falência.
Ser feliz é reconhecer que vale a pena viver apesar de todos os desafios, incompreensões e períodos de crise.
Ser feliz é deixar de ser vítima dos problemas e se tornar um autor da própria história.
É atravessar desertos fora de si, mas ser capaz de encontrar um oásis no recôndito de nossas almas .
É agradecer a Deus a cada manhã pelo milagre da vida.
Ser feliz é não ter medo dos próprios sentimentos.
É saber falar de si mesmo.
É ter coragem para ouvir um 'não'.
É ter segurança para receber uma crítica, mesmo que injusta.

Pedras no caminho?
Guardo todas, um dia vou construir um castelo...


(Fernando Pessoa)


 



First  Previous  45 a 59 de 59  Next   Last  
Previous subject  Next subject
 
©2022 - Gabitos - All rights reserved