Home  |  Contact  

Email:

Password:

Sign Up Now!

Forgot your password?

CASA DAS LETRAS&ARTES DO TROVADOR
 
What’s New
  Join Now
  Message Board 
  Image Gallery 
 Files and Documents 
 Polls and Test 
  Member List
 ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~ 
 IMAGENS & GIFES 
 ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~ 
 BIBLIOTECA DA LUSOFONIA 
 ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~ 
 SONETOS IMORTAIS 
 ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~ 
 POEMAS AVULSOS 
 ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~ 
 «« POESIA DE CORDEL «« 
 ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~ 
 POESIA HISPÂNICA 
 ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~ 
 ARTE E HISTÓRIA NA PALAVRA E NA IMAGEM. 
 ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~ 
 OBRA PRIMA DO DIA 
 ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~ 
 «« EFEMÉRIDES »» 
 ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~ 
 CULINÁRIA 
 ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~ 
 80 MULHERES FAMOSAS COM MAIS DE 80 ANOS. 
 ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~ 
 TÚNEL DO TEMPO 
 ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~ 
 PORTUGAL - JARDIM À BEIRA MAR PLANTADO 
 ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~ 
 MEU BRASIL BRASILEIRO - TODOS OS ESTADOS 
 ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~ 
 ORAÇÕES 
 ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~ 
 «« MÚSICA E SENTIMENTOS »» 
 ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~ 
 NATAL É QUANDO O HOMEM QUISER 
 ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~ 
 POETAS DEL MUNDO 
 ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~ 
 DIA DOS NAMORADOS 2010 
 ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~ 
 CARNAVAL 
 ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~ 
 PÁSCOA E QUARESMA 
 ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~ 
 DIA DA MULHER 
 ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~ 
 MP 3 & MIDIS 
 ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~ 
 DIA DA MÃE 
 ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~ 
 1ª DE MAIO - DIA DO TRABALHADOR 
 ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~ 
 DIA DA CRIANÇA NA EUROPA 
 ~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~~ 
 FESTAS JUNINAS 
 
 
  Tools
 
BIBLIOTECA DA LUSOFONIA: MARIO QUINTANA
Choose another message board
Previous subject  Next subject
Reply  Message 1 of 5 on the subject 
From: QUIM TROVADOR  (Original message) Sent: 30/11/2009 09:05
 

 
 
f2c06e4e77e67e58071953a936777d9c_we.jpg picture by JCarvalho
 
 
estrelariadour.gifAMOR É SÍNTESEestrelariadour.gif
 
Por favor, não me analise
Não fique procurando cada ponto fraco meu.
Se ninguém resiste a uma análise profunda,
Quanto mais eu...
Ciumento, exigente, inseguro, carente
Todo cheio de marcas que a vida deixou
Vejo em cada grito de exigência
Um pedido de carência, um pedido de amor.
Amor é síntese
É uma integração de dados
Não há que tirar nem pôr
Não me corte em fatias
Ninguém consegue abraçar um pedaço
Me envolva todo em seus braços
E eu serei o perfeito amor.
Mário Quintana
coracaozinhoDourado.gifcoracaozinhoDourado.gifcoracaozinhoDourado.gif
f2c06e4e77e67e58071953a936777d9c_we.jpg picture by JCarvalho
 
 
     

 

 



First  Previous  2 to 5 of 5  Next   Last  
Reply  Message 2 of 5 on the subject 
From: Fuji-katura Sent: 03/12/2009 20:24

 
f2c06e4e77e67e58071953a936777d9c_we.jpg picture by JCarvalho
Trezentos e Sessenta e Seis
Mario Quintana
A vida é uns deveres
Que nós trouxemos pra fazer em casa.
Quando se vê,já são 6 horas:há tempo...
Quando se vê já é 6ª feira...
Quando se ê, assaram 60 anos...
Agora é tade demais pra ser reprovado...
E se me dessem - um dia - uma outra
oportunidade,
Eu nem olhava o relógio
Seguia sempre, sempr em frente...
E iria jogando pelo caminho
A casca dourada e inútil das horas.
*Respeite os Direitos Autrais*

 
   


.
f2c06e4e77e67e58071953a936777d9c_we.jpg picture by JCarvalho
 
 

 

 

Data e Dedicatória

Teus poemas, não os dates nunca... Um poema
Não pertence ao Tempo...

Em seu país estranho,
Se existe hora, é sempre a hora estrema
Quando o anjo Azrael nos estende ao sedento
Lábio o cálice inextinguível...
Um poema é de sempre, Poeta:
O que tu fazes hoje é o mesmo poema
Que fizeste em menino,
É o mesmo que,
Depois que tu te fores,
Alguém lerá baixinho e comovidamente,
A vivê-lo de novo...
A esse alguém,
Que talvez ainda nem tenha nascido,
Dedica, pois, os teus poemas.
Não os dates, porém:
As almas não entendem disso...

MÁRIO QUINTANA


 


 
   
 
Borboletas - Mário Quintana

Com o tempo, você vai percebendo que,
para ser feliz com uma outra pessoa
você precisa, em primeiro lugar,
não precisar dela.

Percebe, também, que
aquela pessoa que você ama
(ou acha que ama)
e que não quer nada com você,
definitivamente, não é o homem
(ou a mulher) da sua vida.

Você aprende a gostar de você,
a cuidar de você, principalmente,
a gostar de quem também gosta de você.

O segredo é não correr atrás das borboletas...
é cuidar do jardim
para que elas venham até você.
No final das contas, você vai achar
não quem você estava procurando...
mas quem estava procurando por você...

 
   
 
 
 

 

Quem Ama Inventa

Mário Quintana

Quem ama inventa as coisas que ama...

Talvez chegastes quando eu te sonhava.

Então de súbito acendeu-se a chama!

Era a brasa dormida que acordava...

e era um revôo sobre a ruinaria,

No ar atônito bimbalhavam os sinos

Tangidos por uns anjos peregrinos

Cujo dom é fazer Ressureições...

Um ritmo divino? Oh! Simplesmente

O palpitar de nossos corações

Batendo juntos e festivamente,

Ou sózinhos, num ritmo tristonho...

Ó! meu pobre, meu grande amor distante,

Nem sabes tu o bem que faz à gente

Haver sonhado e ter vivido o sonho!


Reply  Message 3 of 5 on the subject 
From: Fuji-katura Sent: 03/12/2009 20:26
 
             
 

**********************************************************************************************************************

Crônica de uma Saudade

Centenário do Poeta Mário Quintana


 Silas Correa Leite


 

Pois é, querido poeta Mário Quintana, hoje é três de julho de 2006 e
farias cem anos!. Farias, não, que fazes, tu sabes o lugar que estás, pois o
lugar que estás é o lugar-luz que és, até mesmo e principalmente na escala de valores literário da história. És nome de escola, de rua, de biblioteca, a
casa-hotel em que habitavas agora é um Centro Cultural, e lá está a memória viva de tu´alma, teus tarecos diversos entre objetos que te inspiraram, nos poemas que deixaste para nosotros.

Ouvi e vi um menino vidrado te declamando todo garbo, vi tua filha inaugurando uma mostra-exposição, vi teu quarto de dormir - e ainda sonhas? - porque tudo na vidinha passa, mas foste menino-passarinho, com tua poética-passarinho, e lá estava a moça cicerone dando uma lanterna para a turista-repórter boquiaberta te ler em poemas murais, aclareado no escuro, numa bela montagem-instalação de ti, muito além de ti. Já pensou, guri?

Centenário é um poema do longe dentro da gente, ou da gente dentro do longe saudoso e quase pensadilho também?

Pois é, caro poeta Mário Quintana, com tua poesia quintanilha, punhas a alma avelã no quorador das idéias, e secavas o teu poema numa fresta da folha da janela, numa fresta-pano do varal, num ponto de fuga todo especial de ti; tua poética quintaneira de quintais urbanos, trapézios enluados, enfeitiçando a petizada, fuzarqueando, tu mesmo um guri a desvendar os véus de utopias, nas releituras tantas, ricas, páginas viradas de vidas e memórias, de contações e das quireras líricas de tua estadia no meio de nós, poemas aos quatro cantos e aos quatro ventos.

Teu poetar morava nas idéias das coisas. Hoje são cantares, cantatas, nênias e invencionices puras, mosaicos de tua alma nau.

No galeio de teus versos, a poesia trololó, peneiradinha com um gauche em torno de coisas primárias, básicas, primordiais, nutridas pelo teu açúcar, extrativismos de momentos, recolhes de pertencimentos, técnicas de cortar cana e fazer doces palitos-poemas, pilhas-palitos-poemas, energizando o lado piá (grotesco-bucólico) da gente, brava gente, mais a vidinha maroteira das idéias chãs, dando um gute-gute, um chape-chape, feito um recolhedor de focos, polaróides, fotogramas, closes, insights, com tua poetagem que esparramava haicais tropicais em sulinos berços esplêndidos, feito um moinho letral de dizer contentices noturnais e bonitezas pré-aurorais.

Mário Quintana com cem anos, e ainda ali pondo tua alma criança para poetar o belo, o mágico, a poesia que saía leve e suave, nuvem e solta, poucos versos nas metragens e tanto conteúdo existencial. Farias cem anos, belo, e aqui ainda fazes conosco, com teus livros, tuas fotos, tua poesia de ninar gente grande, poeta-passarinho.

No roda-cotia das doces relembranças, o teu sereno olhar de avoar jabuti, a tua voz de menino grande, como uma pequena clarineta-requinta afinada de vivências, os teus gestos magnos, mais o teu olhar acima e sobre todas as coisas, tirando fragmentos de instantes nus, atiçando nodais de injustiças, pincelando tua vida por registrar isso mesmo: teu tempo, as asperezas dos homens, as lanternas sobre tristices dessa gente humilde e a voz do povo resgatada em teu lirismo que embonitava tudo.

Cem anos, Mário Quintana, pois que viajaste fora do combinado, foste poetar nos pagos celestes enserenados de divindades, e nós aqui sem um fotógrafo de registros comuns, cotidianos, como tu; que dão seladura à tabua de carne dessa vidinha que seria uma merreca, se não foste o que deixaste de lastro lavra, um olhar que via da lagarta de couve ao long-play de Caruso com voz enlivrada por teus criares. Fazes falta, poeta, fazes falta.

Saberias colocar quebra-queixo nos nossos curtumes e purgações, porque teus poemas eram esse grude que enricava a nossa alma por teus olhares sadios e recuperadores de momentos, imagens e sentimentos. Na maria-mole queimada de teus poemas, no suspiro cor-de-rosa de tuas palavras, no pé-de-moleque de teu serpentear versos, ficamos sem a benção de teu poetar bendito, buquê de elencos versejados.

Será que foi Mário Quintana quem escreveu tantos versos bonitos, ou foi algum verso-guri delezinho que o criou como encantado, para nos tirar picumãs de tristices? E agora essa saudade beliscando a beldroega da ausência. Ora, deve ser ele mesmo que, de novo, todo trancham, estilingue na mão direita, cetra na calça rancheira ou de morim-cambraia, continua pondo sentimentos revisitados dentro de nossa alma saudosa? Vá saber. Poesia-passarinho não tem engenhos do tempo para nortear, é livre, vai e vem, faz e acontece, se pirulita daqui prali. Por isso que digo que, sim, ele está no meio de nós, e nós o vamos lendo como salmos contentes de seus achados existenciais, como certidões de seus documentos íntimos: belezura de pôr groselha na alma criança da gente, iluminando o coração daquele que ainda têm coração.

Querido Mestre Mário Quintana, dá licencinha, como num jogo de contas de vidro, vou pular a amarelinha da saudade água viva e ler os
poemas-história-em-quadrinhos que escreveste para que pudesses permanecer sempre moleque-camaleão dentro da alma rueira da gente.


 
   

Trova


Mario Quintana

Coração que bate-bate...
Antes deixes de bater!
Só num relógio é que as horas
Vão passando sem sofrer.

 


 
   
 
 
  Enviado: 15/9/2006 19:43
 

 

Ah ! Meus velhos camaradas
 
Gadêa... Pelichek... Sebastião...
Lobo Alvim... Ah, meus velhos camaradas!
Aonde foram vocês? Onde é que estão
Aquelas nossas ideais noitadas?

Fiquei sozinho... Mas não creio, não,
Estejam nossas almas separadas!
às vezes sinto aqui, nestas calçadas,
O passo amigo de vocês... E então

Não me constranjo de sentir-me alegre,
De amar a vida assim, por mais que ela nos minta...
E no meu romantismo vagabundo

Eu sei que nestes céus de Porto Alegre
É para nós que inda S. Pedro pinta
Os mais belos crepúsculos do mundo!...

Mário Quintana

 

 

 


Reply  Message 4 of 5 on the subject 
From: Fuji-katura Sent: 03/12/2009 20:27

 

  E
 
A Rua dos Cataventos - II

Dorme, ruazinha... E tudo escuro...
E os meus passos, quem é que pode ouvi-los?
Dorme o teu sono sossegado e puro,
Com teus lampiões, com teus jardins tranqüilos

Dorme... Não há ladrões, eu te asseguro...
Nem guardas para acaso persegui-los...
Na noite alta, como sobre um muro,
As estrelinhas cantam como grilos...

O vento está dormindo na calçada,
O vento enovelou-se como um cão...
Dorme, ruazinha... Não há nada...

Só os meus passos... Mas tão leves são
Que até parecem, pela madrugada,
Os da minha futura assombração...

Mário Quintana


 
   

AMADURECIMENTO
 
 *Mario Quintana*
 

Aprenda a gostar de você, a cuidar de você e, principalmente, a gostar de quem também gosta de você...
 
A idade vai chegando e, com o passar do tempo, nossas prioridades na  vida vão mudando...
 
A vida profissional, a monografia de final de curso, as contas a pagar.
 
Mas uma coisa parece estar sempre presente. A busca pela felicidade com o amor da sua vida.
 
Desde pequenos ficamos nos perguntando "quando será que vai chegar?"
 
E a cada nova paquera, vez ou outra nos pegamos na dúvida "será que é ele?".
 
Como diz o meu pai: "nessa idade tudo é definitivo", pelo menos a gente achava que era.
 
Cada namorado era o novo homem da sua vida. Faziam planos, escolhiam o nome dos filhos, o lugar da lua-de-mel e, de repente... PLAFT!
 
Como num passe de mágica ele desaparecia, fazendo criar mais expectativas a respeito "do próximo".
 
Você percebe que cair na guerra quando se termina um namoro é muito natural, mas que já não dura mais de três meses.
 
Agora, você procura melhor e começa a ser mais seletiva.
 
Procura um cara formado, trabalhador, bem resolvido, inteligente, com aquele papo que a deixa sentada no bar o resto da noite.
 
Você procura por alguém que cuide de você quando está doente, que não reclame em trocar aquele churrasco dos amigos pelo aniversário da sua  avó, que jogue "imagem e ação" e se divirta como uma criança, que sorria  de felicidade quando te olha, mesmo quando está de short, camiseta e  chinelo.
 
A liberdade, ficar sem compromisso, sair sem dar satisfação já não tem o mesmo valor que tinha antes.
 
A gente inventa um monte de desculpas esfarrapadas,mas continuamos  com a procura incessante por uma pessoa legal, que nos complete e vice-versa.
 
Enquanto tivermos maquiagem e perfume, vamos à luta... e haja dinheiro para manter a presença em todos os eventos da cidade: churrasco,  festinhas, boates na quinta-feira.
 
Sem falar na diversidade que vai do Forró aos pagodes
 
Mas o melhor dessa parte é se divertir com as amigas, rir até doer a  barriga,fazer aqueles passinhos bregas de antigamente e curtir o som...
 
Olhar para o teto, cantar bem alto aquela música que você adora.
 
Com o tempo, você vai percebendo que para ser feliz com uma outra  pessoa,você precisa, em primeiro lugar, não precisar dela.
 
Percebe também que aquele cara que você ama (ou acha que ama),e que
não quer nada com você, definitivamente não é o homem da sua vida.
 
Você aprende a gostar de você, a cuidar de você e, principalmente, a  gostar de quem também gosta de você.
 
O segredo é não correr atrás das borboletas...
 
É cuidar do jardim para que elas venham até você.
 
No final das contas, você vai achar não quem você estava procurando, mas quem estava procurando por você!
 
E eu vou acreditar nisto sinceramente...
Cuidar do meu jardim...iluminar e encher de flores...amar a vida e sorrir...
 
(Mario Quintana)
--------------------
" Considere-se sempre um cidadao de primeira classe do mundo. Ninguem merece tratamento melhor do que voce mesmo"
 
Llylybety
 
 

 
   

 

Ao longo das janelas mortas

Ao longo das janelas mortas
Meu passo bate as calçadas.
Que estranho bate!...Será
Que a minha perna é de pau?
Ah, que esta vida é automática!
Estou exausto da gravitaçăo dos astros!
Vou dar um tiro neste poema horrivel!
Vou apitar chamando os guardas, os anjos, Nosso
Senhor, as prostitutas, os mortos!
Venham ver a minha degradaçăo,
A minha sede insaciável de năo sei o quę,
As minhas rugas.
Tombai, estrelas de conta,
Lua falsa de papelăo,
Manto bordado do céu!
Tombai, cobri com a santa inutilidade vossa
Esta carcaça miserável de sonho...

Mário Quintana

 

 

 

Frame by   

Arte By

 
   
 

 

 


Canção da garoa


Em cima do telhado
Pirulin lulin lulin,
Um anjo, todo molhado,
Soluça no seu flautim.


O relógio vai bater:
As molas rangem sem fim.
O retrato na parede
Fica olhando para mim.


E chove sem saber porquê
E tudo foi sempre assim!
Parece que vou sofrer:
Pirulin lulin lulin... 
 
Mário Quintana


Reply  Message 5 of 5 on the subject 
From: Fuji-katura Sent: 03/12/2009 20:34
 

 

 

Quero um dia poder dizer às pessoas,
Que nada foi em vão...
Que o amor existe,
Que vale a pena se doar as amizades,
Se doar às pessoas,
Que a vida é bela sim,
E que eu sempre dei o melhor de mim...
E que valeu a pena!!!
(Mário Quintana)

Photobucket - Video and Image Hosting

 

                                                                                                                         


 
   

img46/3841/rubiqy2.gif

img178/2154/11qy8.gif

Me Entrego Pra Você...

Me leva por caminhos de amor e prazer
Se inflame na chama do meu corpo
Me sufoca
Me enrosca
De forma natural
se entregue
Me pega
Me laça
Me abraça
Vem me induzir aos seus anseios
e aos meus desejos tão loucos
que aos poucos vão nos consumindo de tanto amor e prazer
Eu quero seu amor a qualquer preço
Quero que você me tenha por inteiro
Quero seus beijos ardentes tão doces... tão quentes...
e me embriagar no perfume do seu corpo para que possamos viajar
nesse amor tão bonito.
(Mário Quintana)

img178/2154/11qy8.gif

FONDO POR MARY


 
   
 

 

O luar


Mário Quintana

O luar,
é a luz do Sol que está sonhando
 



O tempo não pára!
A saudade é que faz as coisas pararem no tempo...
 



...os verdadeiros versos não são para embalar,
mas para abalar...
 



A grande tristeza dos rios é não poderem levar a tua imagem...

 




First  Previous  2 a 5 de 5  Next   Last  
Previous subject  Next subject
 
©2022 - Gabitos - All rights reserved